• Siga-nos nas redes sociais

Mais notícias:

Vice-presidente do Sindifer fala sobre investimentos previstos no Estado

Publicada em 08/05/2019 - 17:17


Daives Alvarenga - Sindifer

Com expectativas positivas por conta de investimentos bilionários que empresas como a Petrobras e a ArcelorMittal anunciaram para os próximos anos, os setores de metalurgia, metalmecânica e petróleo e gás do Espírito Santo vivem um momento de retomada e preparação para atender as demandas de serviços e produtos das grandes indústrias.

Em entrevista, Daives Alvarenga, que é vice-presidente do Sindicato das Indústrias Metalúrgicas e de Material Elétrico do Estado do Espírito Santo (Sindifer), entidade promotora da MEC SHOW 2019 – Feira da Metalmecânica + Inovação Industrial, fala sobre o atual momento do segmento, faz um panorama dos investimentos previstos para os próximos anos e ressaltou a importância da feira. 

01 – Existem investimentos previstos para os setores em 2019 ou nos próximos anos? Como estão os negócios?

Ambos os setores vivem a expectativa ou a véspera de um grande momento em função dos já anunciados investimentos que a Petrobras irá fazer em novos projetos na área de petróleo e gás com a consequente repercussão no setor metalmecânico do Espírito Santo. As previsões são de aportes da ordem de R$ 16 bilhões; as compras para operações, também na área de petróleo e gás estão estimadas em R$ 20 bilhões, sendo que 80% dessas demandas são constituídas por serviços. O setor deve também experimentar incremento dos investimentos da ArcelorMittal Tubarão de R$ 3 bilhões no período 2019-2023 a serem aplicados na construção de uma nova coqueria, a reforma do alto forno II e o setor de lingotamento contínuo. Também os processos de dessanilização e melhorias ambientais estarão consumindo recursos previstos nesse montante. O mesmo tanto, R$ 3 bilhões, será empregado pela Vale. E a previsão do retorno da Samarco até o final deste ano contribui muito para clarear o cenário da metalmecânica capixaba.

02 – Com a entrada dos novos governos, tanto na esfera estadual como na federal, há expectativa de melhora nos segmentos e saída da recessão dos últimos anos?

Muita e consistente. A transição de governos com a disposição, tanto do Governo Federal como a do Estadual em tratar da infraestrutura para assegurar maior competitividade econômica ao Brasil e, no nosso caso, ao Espírito Santo, é um dado estimulante. No Estado, o governador Renato Casagrande está atento ao fato de que nossa infraestrutura está obsoleta,  compromete a nossa competitividade e anuncia esforços para sensibilizar o Governo Federal quanto ao Estado de nossas rodovias, ferrovias, portos, estruturas viárias e urbanas; no plano federal, o Governo tem reiterado a disposição de promover o equilíbrio fiscal – e por isso a Reforma da Previdência está na ordem do dia – e isso envolve um gesto para o mercado internacional sobre a estabilidade da economia brasileira, poupando-a de sobressaltos e turbulências que intimidam e afastam o investidor estrangeiro. Grandes fundos de investimento dos Estados Unidos, Canadá, China e Alemanha miram as potencialidades de investimento no Brasil com as necessidades de nossa infraestrutura. Precisam apenas da sinalização do Governo, com as medidas que já estão em curso, que representará uma segurança para os seus investimentos de longo prazo. Melhor ainda que não se trata de capital especulativo, mas de aportes de recursos de longa maturação, dinheiro que ficará e alavancará a nossa economia.

03 – Qual a importância da MEC SHOW para o setor metalmecânico, metalúrgico, minerador e de petróleo e gás para o ES?

 

A Mec Show é tanto uma síntese do nosso mercado, promovendo o encontro da inovação desses setores configurada em produtos e processos com a demanda das indústrias consumidoras de bens de capital como é uma admirável vitrine da diversidade da linha de produtos que integram o conjunto da oferta. Temos repetido que a Mec Show expressa o estado de arte da indústria metalmecânica e aqui o termo engloba o conjunto de produtos que embutem alta tecnologia, mecânica de precisão, informática, sofisticados circuitos eletrônicos e elétricos. Quem é do ramo não pode passar longe da Mec Show sob pena de ser surpreendido por uma concorrência cada vez mais dinâmica.



C2 Comunicação